Suprema Corte de Israel suspende plano de mandar pacientes palestinos de volta para Gaza

Voguel
Voguel 6 Leitura mínima

O Supremo Tribunal de Israel suspendeu temporariamente um plano do governo para enviar de volta para Gaza um grupo de pacientes palestinos em tratamento nos hospitais de Jerusalém Oriental e Tel Aviv.

A decisão segue uma petição da organização israelense sem fins lucrativos Médicos pelos Direitos Humanos de Israel, que decidiu tomar medidas após uma reportagem da CNN sobre os pacientes do hospital palestino.

“O retorno de residentes a Gaza durante um conflito militar e uma crise humanitária é contra o direito internacional e representa um risco deliberado para vidas inocentes”, disse o porta-voz da organização, Ran Yaron, na quarta-feira (21). “Ainda mais quando se trata de pacientes que podem enfrentar uma sentença de morte devido a condições insalubres e à fome, juntamente com a improvável disponibilidade de cuidados médicos.”

Na sequência do apelo do grupo, o Supremo Tribunal israelense emitiu uma liminar temporária para impedir o governo de enviar cerca de duas dezenas de pacientes palestinos e seus acompanhantes de volta para Gaza.

Os palestinos deveriam ser transportados de ônibus para Gaza na manhã de quinta-feira. No entanto, após a liminar temporária, o governo israelense adiou isso pelo menos até segunda-feira (25), disseram autoridades do hospital à CNN.

Fadi Atrash, CEO do Hospital Augusta Victoria, que trata pacientes com câncer em Gaza, e outro funcionário do hospital confirmaram o atraso à CNN.

Entre os palestinos, a maioria dos quais teve acesso aos hospitais de Jerusalém pelas autoridades israelenses antes de 7 de outubro, estão cinco bebês recém-nascidos e as suas mães que vivem no Hospital Makassed, em Jerusalém Oriental.

O grupo também incluía pacientes com câncer agora em remissão que estavam sendo tratados no Hospital Augusta Victoria, de acordo com funcionários do hospital e autoridades humanitárias.

Alguns pacientes palestinos que o governo israelense quer enviar de volta para Gaza também estão sendo tratados no Hospital Tel HaShomer, nos subúrbios de Tel Aviv, disseram as autoridades.

A CNN noticiou anteriormente sobre a situação dos pacientes, onde as mães expressaram as suas emoções contraditórias sobre o regresso a Gaza – com o desejo de se reunirem com a família e outras crianças, mas também com o instinto de proteger os seus recém-nascidos permanecendo em Jerusalém.

Entre eles está Nima Abu Garrara, que foi trazida de Rafah para Jerusalém Oriental grávida de gêmeos e deu à luz no dia 5 de outubro. Desde então, tudo o que os seus gêmeos conhecem é a segurança de um quarto no Hospital Makassed.

“Se eu voltar com os gêmeos… para onde vou com eles? Onde eu conseguiria fraldas e leite?” ela perguntou, em lágrimas. “Gaza não é mais a mesma.”

“Posso voltar e então eles invadirão Rafah”, disse Abu Garrara sobre os militares israelenses. “Eu serei a responsável por qualquer coisa que os prejudique. Eu estava morrendo quando vim para cá e fiquei com eles aqui para protegê-los.”

Hannan Sharadan disse que passou sete anos tentando engravidar antes de engravidar de gêmeos. “Estou com medo porque não há cessar-fogo”, disse ela enquanto embalava o filho Abdullah. “A vida ficou muito cara. Há doenças se espalhando. Infecções. Não é uma vida normal.”

A Médicos pelos Direitos Humanos de Israel disse que “o fato de os responsáveis ​​pela segurança se recusarem a transmitir tal diretiva por escrito indica que eles próprios estão cientes de que é claramente ilegal e estão evitando responsabilidades”.

Os funcionários do hospital afirmam que têm comunicado em grande parte por telefone com o COGAT (Coordenador de Atividades Governamentais nos Territórios), o órgão do Ministério da Defesa israelense responsável pelos assuntos palestinos, que está coordenando a partida.

Atrash disse à CNN no domingo (17) que resistiu durante algum tempo às exigências do governo israelense de fornecer uma lista de palestinos que não precisavam mais de tratamento hospitalar.

“No final das contas, não é nossa decisão”, disse ele. “E isso é realmente frustrante. Não conseguimos ajudar as pessoas em Gaza desde o início da guerra. Como médicos, esse é o nosso sentimento diário, de que não podemos fazer nada.”

Em resposta a um inquérito da CNN, o COGAT confirmou que os palestinos de Gaza que “não necessitam de mais cuidados médicos” estão sendo enviados de volta para Gaza e que o COGAT coordenaria o regresso com organizações de ajuda internacionais.

“Nos casos em que haja necessidade de tratamento médico adicional, o COGAT organiza a sua estadia nos hospitais para salvaguardar a sua saúde”, afirmou a agência.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.