Sonhos de Elon Musk com o ‘robotáxi’ inquietam investidores e executivos da Tesla | Empresas

Voguel
Voguel 11 Leitura mínima

Os subordinados de Elon Musk na Tesla estão acostumados ao caos. Isso envolve trabalhar para um executivo-chefe que estabelece metas rigorosas e muitas vezes muda de direção abruptamente – cujo biógrafo descreve seus estados de espírito mais intensos como “demon mode”.

Na terça-feira, a Tesla deverá reportar uma queda de 40% no lucro operacional e seu primeiro declínio nas receitas em quatro anos. Musk ordenou as maiores demissões de todos os tempos da empresa e apostou seu futuro em um conceito de veículo autônomo de próxima geração chamado robotáxi. Pessoas familiarizadas com as suas diretivas, que pediram para não serem identificadas, estão inquietas com as mudanças que o CEO pretende promover.

A ideia de criar um serviço de táxi autônomo tem circulado pela Tesla há pelo menos oito anos, mas a empresa ainda não criou grande parte da infraestrutura de que necessitaria, nem obteve aprovação regulamentar para testar tais carros em vias públicas. Por enquanto, Musk adiou os planos para um veículo de mercado de massa de US$ 25 mil que muitos investidores da Tesla – e alguns insiders – estão defendendo e acreditam ser crucial para o futuro da montadora.

Na sequência das notícias sobre a mudança estratégica, gestores importantes – incluindo Drew Baglino, um veterano de 18 anos na empresa que chefiou o negócio de engenharia e energia de motores da Tesla – saíram da empresa.

Musk, 52 anos, tirou a montadora de muitos problemas no passado. Com US$ 469 bilhões, a empresa ainda está avaliada em mais de nove vezes o valor de mercado da General Motors ou da Ford. Mas depois de perder quase US$ 350 bilhões em valor de mercado em quatro meses, funcionários, investidores e analistas estão perplexos e questionando a estratégia da empresa.

Musk sinalizou em sua rede de mídia social que os movimentos recentes equivalem à ativação do modo CEO em tempo de guerra. Ele curtiu uma postagem dizendo isso depois de enviar um e-mail para toda a empresa anunciando que a Tesla estava cortando mais de 10% do quadro global de funcionários, o que significaria a eliminação de pelo menos 14 mil empregos.

O número real de demitidos pode ultrapassar 20 mil, segundo pessoas familiarizadas com o planejamento da empresa. O raciocínio de Musk, de acordo com uma fonte, era que a Tesla deveria reduzir o número de funcionários em 20% porque as entregas de veículos caíram nesse valor do quarto trimestre de 2023 para o primeiro trimestre de 2024.

Para aqueles que ainda estão nas fileiras de Tesla após este abate, Musk alterou radicalmente as ordens. A empresa está “dando duro pela autonomia”, declarou ele na semana passada. O robotáxi agora tem precedência sobre um carro mais barato que ele apresentou pela primeira vez há quatro anos, tanto no que diz respeito ao estabelecimento de prazos para protótipos quanto ao arranjo da capacidade de produção, disse uma pessoa familiarizada com o planejamento.

Musk tem falado muito sobre autonomia há mais de uma década e convenceu os clientes a pagar milhares de dólares por um produto que a Tesla comercializou como Full Self-Driving, ou FSD. O nome é impróprio – o FSD requer supervisão constante e não torna os veículos autônomos – mas Musk previu repetidamente que está prestes a estar à altura da marca.

Elon Musk e Tesla — Foto: Bloomberg

Musk e os principais engenheiros estão particularmente otimistas em relação a uma grande mudança na forma como o FSD funciona agora. Câmeras colocadas ao redor dos carros da empresa gravam vídeos e usam essas imagens para ditar como o veículo se dirige, em vez de depender de código de software. Ashok Elluswamy, diretor do programa Autopilot da Tesla, escreveu no X no mês passado que isso deveria levar a um “progresso sem precedentes”.

Mas o otimismo em torno do FSD e a crença de Musk de que esta nova abordagem poderia viabilizar os robotáxis está nublando o futuro do projeto do carro de US$ 25 mil da Tesla. Pessoas com conhecimento dos planos da companhia contestaram a noção de que o programa foi totalmente cancelado. Desde sempre, a empresa tem perseguido uma arquitetura de veículos de baixo custo que irá sustentar vários tipos diferentes de modelos, um dos quais não teria volante nem pedais.

Embora essas pessoas tenham confirmado que o robotáxi está sendo priorizado, uma delas descreveu o projeto do veículo da próxima geração como um esforço para extrair reduções de custos de componentes e métodos de produção e, em seguida, aplicar essas inovações para baratear o Modelo Y e o Modelo 3, os dois mais populares. As equipes estão dando ênfase ao Modelo Y, o veículo mais vendido no mundo no ano passado.

Não está claro até que ponto isso pode ser um consolo para os investidores que ficaram assustados com os relatos de que a resposta da Tesla a opções acessíveis como o Toyota Corolla foi totalmente descartada. Muitos estão preocupados com o fato de que o único novo modelo que a empresa oferecerá aos consumidores na meia década após a estreia do Modelo Y será o Cybertruck, uma picape cara e difícil de construir. Na semana passada, a empresa fez recall de quase 3.900 desses veículos para consertar pedais de acelerador com defeito.

Reorientar a Tesla em torno do robotáxis é arriscado. Embora as agências federais tenham adotado uma abordagem permissiva para regulamentar a tecnologia que tem o potencial de tornar as estradas mais seguras, o controle em nível estadual e local tem se revelado difícil de navegar.

O ex-governador Doug Ducey deu as boas-vindas aos veículos autônomos da Uber no Arizona em 2016, apenas para proibi-los após uma colisão fatal com um pedestre em 2018. A Uber vendeu sua unidade de carros autônomos dois anos depois.

Mais recentemente, a Cruise, da GM, passou os últimos seis meses voltando aos testes do robotáxi depois que um de seus carros atingiu e arrastou um pedestre em São Francisco. A Califórnia também está atrasando uma expansão da Waymo, da Alphabet, após vários incidentes, incluindo um de seus veículos atropelando um ciclista.

Mesmo assim, Musk aposta que a Tesla pode tornar os robotáxis uma realidade, disponibilizando o FSD para mais consumidores e reduzindo os preços. Ele está promovendo test drives e testes gratuitos de 30 dias para promover o recurso, aumentar a receita e consumir mais imagens de câmera.

A Tesla está construindo data centers em Buffalo, Nova York, e Austin, onde está sediada, para processar as imagens capturadas por seus veículos e treinar seus sistemas de direção. A unidade de Buffalo está mais adiantada, enquanto a de Austin está enfrentando custos excessivos, disseram pessoas familiarizadas com os projetos.

A justificativa para as demissões da Tesla não foi extrair economias de partes da empresa e redirecionar os gastos para robotáxis, de acordo com uma pessoa com conhecimento direto de como os cortes de empregos foram elaborados. As equipes de toda a organização – incluindo aquelas que trabalham com autonomia – receberam metas iguais de redução de pessoal, disse essa pessoa.

Com base em entrevistas com mais de uma dúzia de funcionários afetados nos EUA, as demissões foram mal organizadas e executadas.

Os e-mails que começavam com “Prezado Funcionário” foram enviados para endereços pessoais após a meia-noite. Na fábrica de baterias da Tesla em Nevada, muitos funcionários começaram a segunda-feira com engarrafamentos no portão da frente. Eles foram desviados para um estacionamento onde os seguranças escanearam os crachás para saber quem ainda tinha emprego e quem havia sido demitido. Uma pessoa que soube que foi dispensada dessa forma disse que foi a experiência mais fria e humilhante de sua carreira.

“Muitas pessoas descobriram que não estavam mais empregadas no meio do turno ou depois de chegarem para o que parecia ser apenas mais uma segunda-feira”, escreveu Jordana Hernandez, ex-gerente de serviços na Virgínia, no LinkedIn. “Essa é a parte que dói. Dando literalmente sangue, suor e lágrimas a uma empresa que mostrou zero de humanidade pelas pessoas que sacrificaram mais do que qualquer pessoa fora de Tesla pode imaginar.”

Na noite de sábado, antes do início das demissões, Musk estava fazendo poses dramáticas no tapete vermelho e brincando sobre quem deveria interpretá-lo em um filme biográfico.

Dias depois, a presidente da Tesla, Robyn Denholm, criticou um tribunal de Delaware por rejeitar o pacote salarial do conselho para Musk e instou os acionistas a aprová-lo novamente. Nessa época, o CEO descobriu que a empresa havia economizado no que oferecia aos funcionários cujos empregos haviam acabado de ser eliminados.

“Chegou hoje ao meu conhecimento que alguns pacotes de indenizações são incorretamente baixos”, escreveu Musk em um e-mail aos funcionários restantes da Tesla. “Minhas desculpas por esse erro. Está sendo corrigido imediatamente.”

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.