Será que a música piorou com os anos? A ciência responde

Voguel
Voguel 9 Leitura mínima

Você já deve ter ouvido alguém mais velho do que você falando que não se fazem mais músicas como antigamente. Nostalgia à parte, talvez essas pessoas estejam certas. Pelo menos é isso que indica um novo estudo, publicado na quinta-feira (28) na revista Scientific Reports.

De acordo com os pesquisadores, as letras das músicas estão realmente se tornando mais simples e repetitivas. Para chegar a essa conclusão, a equipe analisou mais de 12 mil canções em língua inglesa de 1980 a 2020, e dos mais variados ritmos: rap, country, pop, R&B e rock.

Os autores do levantamento perceberam que os artistas têm usado menos palavras difíceis e repetido mais versos, principalmente o refrão.

Em entrevista à agência AFP, Eva Zangerle, uma das responsáveis pelo estudo, preferiu não citar o nome de nenhum cantor ou banda modernos que se encaixariam nesse perfil.

A especialista em sistemas de recomendação da Universidade de Innsbruck, na Áustria, por outro lado, fez questão de destacar um artista antigo que era mais criativo e autêntico, segundo ela: Bob Dylan, que além de cantor e compositor, chegou a vencer também um Prêmio Nobel de Literatura.

I’m Not There (2007) é uma ótima biografia sobre Bob Dylan – Imagem: The Weinstein Company (divulgação)

De quem é a culpa?

  • Vale destacar que o estudo não culpa, necessariamente, os artistas por essa tendência.
  • Segundo Zangerle, a mudança pode ter ocorrido mais por uma questão comercial.

“As letras prendem mais hoje em dia, simplesmente porque são mais fáceis de memorizar”, disse a autora.

  • Ou seja, a indústria teria passado a exigir músicas desse jeito porque era isso que o público queria.
  • Em tempos de Spotify e de outros tocadores de música, quem é do setor sabe que precisa chamar a atenção das pessoas logo de cara – senão ela simplesmente troca de faixa.
  • Zangerle explica que “os primeiros 10-15 segundos são altamente decisivos para pularmos a música ou não”.
  • E a indústria sabe disso.
  • Talvez também refletindo a sociedade, os letristas passaram a entregar menos músicas alegres e positivas.
  • No lugar disso, as letras passaram a ser mais raivosas, tristes ou que transmitam desgosto.
  • Elas também passaram a ser mais centradas no “eu” e no “meu”.
(Imagem: Vitória Gomez via DALL-E/Olhar Digital)

E no Brasil?

Vale repetir que esse estudo foi feito levando em consideração apenas músicas de língua inglesa – que consumimos bastante por aqui também.

Não há nenhum levantamento sobre artistas nacionais ou músicas em Português. Arrisco-me, no entanto, a dizer que essa tendência detectada por lá se repete por aqui.

E não precisa ser nenhum gênio para perceber isso. Basta prestar atenção nas letras que fazem sucesso no Carnaval, por exemplo. Ou no funk que a garotada tanto gosta.

As músicas são repetições das mesmas frases e com a mesma batida minimalista. Nada contra, só uma constatação.

Portanto, talvez o estudo europeu esteja realmente certo. E, sim, talvez eu esteja ficando velho também.



Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.