Sensação de solidão é mais forte em duas fases da vida; veja quais e saiba como evitá-la

Voguel
Voguel 8 Leitura mínima

Quando o médico Vivek Murthy fez uma turnê por faculdades em todo o país no último outono, ele começou a ouvir o mesmo tipo de pergunta repetidamente: como devemos nos conectar uns aos outros quando ninguém mais conversa?

Em uma época em que a participação em organizações comunitárias, clubes e grupos religiosos diminuiu, e mais interações sociais ocorrem online em vez de pessoalmente, alguns jovens estão relatando níveis de solidão que, em décadas passadas, eram tipicamente associados a adultos mais velhos.

É uma das muitas razões pelas quais a solidão se tornou um problema tanto no início quanto no final de nossas vidas.

Solidão tende a ser percebida com mais intensidade na juventude e na terceira idade. Foto: krissikunterbunt/Adobe Stock

Em um estudo publicado recentemente na revista Psychological Science, pesquisadores descobriram que a solidão segue uma curva em forma de U: começando da juventude, a solidão autorrelatada tende a diminuir à medida que as pessoas se aproximam da meia-idade apenas para aumentar novamente após os 60 anos, tornando-se especialmente pronunciada por volta dos 80 anos.

Embora qualquer pessoa possa experimentar a solidão, indivíduos na meia-idade podem se sentir mais socialmente conectados do que outros grupos etários porque estão frequentemente interagindo com colegas de trabalho, um cônjuge, filhos e outros em sua comunidade — e essas relações podem parecer estáveis e satisfatórias, analisa Eileen K. Graham, professora associada de ciências sociais médicas na Faculdade de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern e a autora principal do estudo.

À medida que as pessoas envelhecem, essas oportunidades podem “começar a desaparecer”, diz ela. No estudo, que analisou dados de várias décadas, começando na década de 1980 e terminando em 2018, os participantes nas extremidades do espectro etário eram mais propensos a concordar com afirmações como: “Sinto falta de ter pessoas ao meu redor” ou “minhas relações sociais são superficiais.”

“Temos músculos sociais assim como temos músculos físicos”, compara Murthy. “E esses músculos sociais enfraquecem quando não os usamos.”

Quando a solidão não é verificada, pode ser perigosa para nossa saúde física e mental, e tem sido ligada a problemas como doenças cardíacas, demência e ideação suicida.

Graham e outros especialistas em conexão social afirmam que existem pequenos passos que podemos tomar em qualquer idade para cultivar um senso de pertencimento e conexão social.

Faça uma auditoria de relacionamentos

“Não espere até a velhice para descobrir que você não possui uma rede social de boa qualidade”, orienta Louise Hawkley, uma cientista que estuda a solidão na NORC, uma organização de pesquisa social na Universidade de Chicago. “Quanto mais você espera, mais difícil fica formar novas conexões.”

Estudos sugerem que a maioria das pessoas se beneficia de ter um mínimo de quatro a seis relações próximas, conta Julianne Holt-Lunstad, professora de psicologia e neurociência e diretora do Laboratório de Conexão Social e Saúde na Universidade Brigham Young.

Mas não é apenas a quantidade que importa, ela acrescentou, é também a variedade e a qualidade.

“Diferentes relacionamentos podem satisfazer diferentes tipos de necessidades”, explica Holt-Lunstad. “Assim como você precisa de uma variedade de alimentos para obter uma variedade de nutrientes, você precisa de uma variedade de tipos de pessoas em sua vida.”

Pergunte a si mesmo: você é capaz de confiar e apoiar as pessoas em sua vida? E seus relacionamentos são principalmente positivos em vez de negativos?

Se sim, é um sinal de que esses relacionamentos são benéficos para o seu bem-estar mental e físico, diz ela.

Participe de um grupo

Pesquisas mostraram que saúde precária, viver sozinho e ter menos familiares e amigos próximos são fatores que aumentam a solidão após cerca de 75 anos.

Mas o isolamento não é a única coisa que contribui para a solidão — em pessoas jovens e idosas, a solidão vem de um descompasso entre o que você deseja ou espera de seus relacionamentos e o que esses relacionamentos estão fornecendo.

Se sua rede está diminuindo — ou se você se sente insatisfeito com seus relacionamentos — busque novas conexões participando de um grupo comunitário, participando de uma liga esportiva social ou fazendo trabalho voluntário, o que pode proporcionar um senso de significado e propósito, aconselha Hawkley.

E se um tipo de voluntariado não é satisfatório, não desista, ela acrescenta. Em vez disso, tente outro tipo.

Participar de organizações que lhe interessam pode oferecer um senso de pertencimento e é uma maneira de acelerar o processo de conexão pessoal com pessoas de ideias semelhantes.

Diminua o uso de redes sociais

Jean Twenge, psicóloga social e autora de “Gerações”, descobriu em sua pesquisa que o uso intensivo de redes sociais está ligado à má saúde mental — especialmente entre meninas — e que o acesso a smartphones e o uso da internet “aumentaram em paralelo com a solidão adolescente”.

Em vez de recorrer a uma conversa online ou meramente a uma reação ao post de alguém, você pode sugerir fortalecer os laços durante uma refeição — sem telefones permitidos.

E se uma interação por texto ou rede social estiver se prolongando ou envolvendo, mude para uma conversa em tempo real, enviando uma mensagem como: “Posso te dar uma ligação rápida?”, diz Twenge.

Por fim, Holt-Lunstad sugere pedir a um amigo ou familiar para fazer uma caminhada em vez de se corresponder online. Além de ser gratuito, caminhar também tem o benefício adicional de proporcionar ar fresco e exercício.

Tome a iniciativa

“Muitas vezes, quando as pessoas se sentem solitárias, elas podem estar esperando que alguém alcance a elas”, diz Holt-Lunstad. “Pode ser realmente difícil pedir ajuda ou mesmo iniciar uma interação social. Você se sente muito vulnerável. E se eles disserem não?”

Algumas pessoas podem se sentir mais confortáveis entrando em contato com os outros com uma oferta de ajuda, acrescenta ela, porque isso ajuda você a focar “para fora em vez de para dentro”.

Pequenos atos de gentileza não só manterão, mas também solidificarão seus relacionamentos, dizem os especialistas.

Por exemplo, se você gosta de cozinhar, ofereça-se para deixar comida para um amigo ou familiar, sugere Twenge.

“Você não só fortalecerá uma conexão social, mas também obterá o aumento de humor que vem de ajudar”, ela acrescenta.

c.2024 The New York Times Company

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.