Potências do G7 prometem reforçar defesas aéreas da Ucrânia diante de ataques russos

Voguel
Voguel 3 Leitura mínima

Capri, Itália (Reuters) – As potências do G7 estão determinadas a reforçar as defesas aéreas da Ucrânia, disseram seus ministros das Relações Exteriores nesta sexta-feira (19), após repetidos ataques aéreos russos que destruíram a infraestrutura de energia e mataram centenas de pessoas.

O grupo das sete maiores potências – Itália, Canadá, França, Alemanha, Japão, Reino Unido, Estados Unidos e representantes da União Europeia – tem criticado ferozmente a invasão da Ucrânia pela Rússia, que já dura mais de dois anos.

Entretanto, Kiev advertiu que eles precisam mudar a estratégia se quiserem que a Ucrânia resista aos ataques aéreos russos cada vez mais destrutivos. A Rússia nega ter como alvo civis durante seus ataques aéreos e diz que o sistema de energia é um alvo legítimo, mas centenas de civis foram mortos durante os ataques aéreos.

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

O G7 “reforçará a capacidade de defesa aérea da Ucrânia para salvar vidas e proteger a infraestrutura essencial”, disseram os ministros das Relações Exteriores em nota oficial, acrescentando que aumentarão a assistência de defesa e segurança para Kiev.

“Estamos determinados a continuar a fornecer apoio militar, financeiro, político, humanitário, econômico e de desenvolvimento para a Ucrânia e seu povo”, acrescentaram.

A declaração do G7 chega ao final de uma reunião de três dias dos ministros na ilha de Capri, no sul da Itália, que teve a Ucrânia e os confrontos militares entre Israel e o Irã entre seus principais tópicos.

Se você gostou desse post, não esqueça de compartilhar!

Mais cedo, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba – que estava em Capri para a reunião – disse a repórteres que o G7 havia identificado medidas específicas para ajudar a impulsionar a defesa aérea da Ucrânia. Ele não forneceu mais detalhes.

Enquanto isso, a Alemanha já disse que entregará uma bateria de mísseis Patriot.

Após a cúpula, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que a Ucrânia precisa de mais recursos imediatamente e alertou Pequim que as relações da China com a Europa serão prejudicadas se ela der apoio à indústria de defesa da Rússia. “Quando se trata da base industrial de defesa da Rússia, o principal contribuinte neste momento (…) é a China”, disse Blinken.

“Se, por um lado, a China pretende manter boas relações com a Europa e outros países, não pode, por outro lado, estar alimentando o que é a maior ameaça à segurança europeia desde o fim da Guerra Fria.”

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.