O céu é o limite para Embraer: bancões aderem à “super tese” e ação segue disparada

Voguel
Voguel 7 Leitura mínima

A Embraer (EMBR3) segue a sua trajetória de forte alta na sessão desta sexta-feira (22) e acumulando ainda mais ganhos no ano, com mais grandes bancos reforçando teses bastante positivas para a fabricante brasileira de aviões comerciais e executivos. No pregão desta sexta, às 13h05 (horário de Brasília), EMBR3 saltava 6,15%, a R$ 32,80, levando a ação a subir 47% no acumulado do ano e 35% só em março, destacando-se como a maior alta disparada no período entre as ações do Ibovespa.

O destaque na semana passada ficou com o Morgan Stanley, que dobrou o preço-alvo para os ADRs (recibo de ações negociados na Bolsa americana) da companhia. O preço-alvo foi de US$ 19,50 para US$ 40,00 (elevação do target em 105%), com os analistas destacando a empresa “como o terceiro player no mercado de aeronaves comerciais, ganhando espaço e possivelmente quebrando o duopólio de Boeing e Airbus”. Já nesta semana, os analistas do banco reiteraram a visão positiva logo após a divulgação do balanço (na segunda de manhã), seguiram com o top pick na companhia em aviação e destacou que a tese positiva está intacta.

Seguindo os passos do Morgan, no fim desta semana JPMorgan e Goldman Sachs reiteraram visão positiva e recomendação de compra para os ADRs e para EMBR3, negociada na B3.

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

O JPMorgan, por sinal, elevou o preço-alvo dos ADRs para os mesmos US$ 40 estabelecidos pelo Morgan na semana passada (ainda um potencial de alta de 62% em relação ao fechamento de quinta), enquanto o preço-alvo para EMBR3 subiu de R$ 28 para R$ 51 (upside de 65%), excluindo Eve (fabricante de EVTOLs, ou os conhecidos carros voadores). Incluindo a Eve, o valor justo subiria para US$ 58 e R$ 73 para os ADRs e EMBR3, respectivamente, levando a um potencial de alta superior a 130%.

Segundo os analistas do banco, as revisões para cima refletem: i) múltiplos mais elevados ao avaliarem as ações pelo método de soma das partes, que iria para 10,3 vezes, ainda com um desconto de cerca de 25% em relação aos pares; ii) redução do custo médio ponderado de capital (WACC) para 9,4%, bem como uma revisão para cima nos lucros devido a campanhas recentes e perspectivas positivas de defesa. O banco vê a ação como atraente, com uma relação EV/Ebitda (EV = enterprise value, ou valor de mercado + dívida líquida”; Ebitda= lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) esperada para 2024 de 7,2 vezes, abaixo do nível histórico de 5 anos de 8,3 vezes.

O desconto ante os pares ocorre, apontam os analistas, apesar das melhorias no retorno e da perspectiva de crescimento superior, especialmente em defesa, que é negociada em múltiplos acima da média.

Se você gostou desse post, não esqueça de compartilhar!

Para o JPMorgan, o fluxo de notícias de curto prazo deve apoiar o rali das ações. O banco destaca que, embora o primeiro semestre seja sazonalmente fraco para a Embraer e nos últimos dois anos as ações tenham registrado uma correção significativa neste período, neste ano deve ser diferente, pois o fluxo de notícias de curto prazo deve ser favorável.

Os principais gatilhos de curto prazo são i) a conclusão do processo de arbitragem envolvendo a Boeing, representando uma entrada de caixa potencial de US$ 300-400 milhões; ii) potencial pedido de aeronaves E-Jets E2 nos EUA, à medida que a empresa continua suas campanhas de vendas; iii) pedidos no segmento de defesa da Índia e da Arábia Saudita, bem como conversão de memorandos de entendimento com os Países Baixos, Áustria e República Tcheca de 11 aeronaves; e iv) reavaliação para a Eve, dadas as taxas mais baixas nos EUA e os avanços na certificação e no desenvolvimento.

O banco manteve sua estimativa de Ebitda para 2024, mas elevou para 2025 em 7%, refletindo um aumento equivalente nas receitas devido às perspectivas positivas para a defesa. “Vemos receitas no segmento em US$ 785 milhões contra previsão anterior de US$ 650 milhões. Além disso, o recente pedido da American Airlines também resultou em um aumento em nossas margens esperadas para 2025-26. Nossa estimativa de Ebitda para 2024 está 8% acima do consenso, e nossa estimativa para 2025 está 6% acima”, apontam os analistas.

O Goldman, por sua vez, aumentou sua projeção média para o Ebitda da Embraer entre 2024 e 2027 em 7%, ressaltando que a companhia tem uma posição dominante no mercado de jatos regionais, onde a demanda impulsionada pela substituição está aumentando. Além disso, conta com uma posição forte no mercado de jatos executivos, onde a oferta/demanda permanece restrita, sua taxa de crescimento de defesa está reacelerando e seu maior contribuinte para o Ebitda continua sendo seu negócios de pós-venda, com margem mais alta.

“Continuamos com recomendação de compra para a ação”, destaca o Goldman, que possui preço-alvo de US$ 35 para o ADR ERJ, ou upside de 41,5% em relação ao fechamento da véspera.

De acordo com compilação LSEG com analistas de mercado, de 13 casas que cobrem o ADR ERJ, onze têm recomendação de compra para os papéis e dois têm recomendação neutra.

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.