Ministra da Saúde diz que produção de laboratório limita ampliação da vacinação contra a dengue

Voguel
Voguel 3 Leitura mínima

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, participou nesta sexta-feira (19) em Ribeirão Preto (SP) do encontro da Frente Nacional de Prefeitos e Prefeitas (FNP) para debater estratégias de enfrentamento à epidemia de dengue no país.

De acordo com Nísia, 75% dos focos do mosquito Aedes aegypti estão nas casas, o que exige um esforço conjunto da população contra os criadouros.

Mesmo com a oferta limitada de vacinas, na quarta-feira (17), o Ministério da Saúde precisou ampliar, de forma temporária, a faixa etária da campanha devido à proximidade de vencimento em 30 de abril de 668 mil doses já adquiridas. Conforme a disponibilidade nos municípios, agora, pessoas dos 4 aos 59 anos podem ser imunizadas.

Ainda assim, a ministra fez um apelo para que os pais levem crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, anteriormente priorizadas na campanha, para serem vacinadas.

“Infelizmente estamos vendo muitas famílias que não estão levando suas crianças e seus jovens. Então vamos vacinar em todos os locais na faixa etária que foi já recomendada.”

A ministra disse que o Ministério da Saúde destinou R$ 1,5 bilhão em recursos para cidades que entraram em emergência por causa da doença. As verbas estão sendo repassadas a partir da apresentação dos planos elaborados pelos municípios para o enfretamento à dengue.

Em Ribeirão Preto, são seis mortes e 14.402 casos confirmados de dengue desde janeiro. O prefeito Duarte Nogueira (PSDB), que é vice-presidente da FNP, disse que a cidade recebeu 11 mil doses para imunizar crianças, mas que elas não são suficientes.

“Estou oficiando a ministra, pedindo mais novas doses para que possamos ampliar a grade de faixa etária, para uma cobertura mais completa e garantir a imunização, evitar que as pessoas fiquem doentes. Mas, ao vacinar, não podemos deixar as atitudes corretas, como evitar os criadouros dentro de casa que permitam a reprodução do mosquito.”

Segundo Nogueira, o encontro com a ministra também permitiu aos prefeitos participantes o debate para a obtenção de melhorias na atenção primária.

“O financiamento da saúde, a parte de saúde básica, a constituição de equipes da saúde da família. Vamos discutir com a ministra da Saúde também o financiamento da média e da alta complexidade, que são os hospitais que fazem as cirurgias mais especializadas.”

Nísia disse que o governo federal está priorizando recursos para o aumento das equipes de atenção básica e destinando R$ 1,2 bilhão para a realização de cirurgias eletivas, aquelas que não são urgentes, para reduzir o tempo de espera das pessoas no SUS.

A ministra afirmou também que uma das prioridades do ministério é acelerar o agendamento de consultas e exames.

Veja mais notícias da região no g1 Ribeirão e Franca

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.