Israel volta foco para Hamas e Rafah à medida que ameaça do Irã diminui

Voguel
Voguel 7 Leitura mínima

Israel volta a se concentrar na eliminação do que diz ser o último reduto remanescente do Hamas em Gaza – reavivando as preocupações internacionais sobre o destino de cerca de um milhão de civis abrigados no sul da faixa.

À medida que as tensões com o Irã diminuem, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, prometeu no domingo passado “aumentar a pressão militar e diplomática” sobre o Hamas, com o objetivo de libertar os reféns restantes e declarar vitória na guerra que já dura mais de seis meses. Isso sugere um ataque iminente e temido há muito tempo a Rafah, a cidade de Gaza perto da fronteira egípcia, onde cerca de metade da população do enclave se refugiou.

“Vamos desferir mais golpes dolorosos sobre o Hamas – em breve”, disse Netanyahu, sem ser mais específico.

Fuja dos ativos que rendem menos com essa ferramenta gratuita

Baixe a Calculadora de Renda Fixa do InfoMoney e compare a rentabilidade dos ativos

Os comentários do líder israelense foram seguidos por ataques aéreos em Rafah – que tinha uma população pré-guerra de cerca de 280 mil habitantes – no domingo e durante a noite até a segunda-feira. As autoridades em Gaza, controlada pelo Hamas, disseram que 24 palestinos foram mortos. A maioria dos mortos eram mulheres e crianças, de acordo com o Ministério da Saúde local.

Israel sinaliza há muito tempo a intenção de lançar uma operação terrestre na pequena cidade para atingir o seu objetivo de destruir o Hamas, uma resposta à invasão do grupo em 7 de Outubro no sul do país, que matou cerca de 1.200 pessoas. Oficiais militares israelenses estimam que entre 5.000 e 8.000 combatentes do Hamas estão escondidos em Rafah, juntamente com alguns dos seus líderes, representando a última linha da sua defesa.

Mas o plano está suspenso há várias semanas. Mais recentemente, devido à necessidade de Israel se concentrar no tenso confronto com o Irã, que provocou receios em todo o mundo de um conflito regional mais amplo.

Se você gostou desse post, não esqueça de compartilhar!

Os EUA pediram a Israel que não invada Rafah – pelo menos enquanto a cidade continuar a ser um refúgio seguro para tantos civis. Os palestinos em Gaza têm fugido para o sul desde que Israel iniciou a sua campanha, em grande parte a mando dos militares. Grandes áreas do enclave foram arrasadas no conflito, com as duas maiores cidades sofrendo um bombardeamento particularmente violento, e as autoridades de saúde afirmam que mais de 34 mil palestinos foram mortos.

O Hamas, apoiado pelo Irã e designado como organização terrorista pelos EUA e pela União Europeia, ainda mantém cerca de 130 dos 250 reféns iniciais feitos em 7 de outubro, embora alguns sejam considerados mortos. Netanyahu está sob intensa pressão interna para garantir a volta segura deles, com manifestações antigovernamentais atraindo dezenas de milhares de manifestantes, incluindo as famílias dos sequestrados.

Israel tem uma série de opções para invadir Rafah, de acordo com uma autoridade israelense com conhecimento dos preparativos. Os militares do país não precisam necessariamente atacar a cidade com todas as suas forças – o que provavelmente agravaria uma crise humanitária – e poderiam, em vez disso, mover suas forças de um bairro ao outro e evacuar os civis ao mesmo tempo, disse a fonte.

Israel prepara uma expansão significativa da zona humanitária em Gaza, em preparação para uma entrada terrestre em Rafah, de acordo com a unidade de língua árabe da emissora estatal israelense Kan nesta segunda-feira.

Autoridades norte-americanas negaram relatos de que Washington tenha fechado um acordo com Israel que deu sinal verde para uma invasão de Rafah em troca de retaliação limitada contra o Irã pelo seu recente ataque em grande escala. Teerã realizou um ataque sem precedentes com mísseis e drones contra Israel em 14 de abril, em resposta a um ataque aéreo mortal contra seu complexo diplomático em Damasco, duas semanas antes.

Israel e seus aliados interceptaram quase todos os projéteis, e o Estado judeu teria respondido com fogo mais limitado na sexta-feira. O Irã minimizou esse ataque como um fracasso, indicando que não planeia revidar.

“Objetivo compartilhado”

Autoridades israelenses e norte-americanas discutiram na semana passada os planos do Irã e de Rafah, concordando “no objetivo comum de ver o Hamas derrotado em Rafah”, disse a Casa Branca em um comunicado de 18 de abril. em Rafah, e os participantes israelenses concordaram em levar essas preocupações em consideração.”

O papel do Egito é outra preocupação, já que a nação do Norte de África se recusa a permitir que Israel envie habitantes de Gaza para o seu território. O Cairo acredita que os permitir em massa representaria uma ameaça à segurança do Egito e trairia a causa palestina de um Estado independente, e alertou repetidamente contra um ataque à cidade. O Egito também negou relatos de que teria feito planos de contingência para acomodar os deslocados perto da fronteira.

Com as negociações entre Israel e o Hamas sobre um acordo para libertar os reféns num impasse, o ataque a Rafah deverá prosseguir, disse Eyal Hulata, conselheiro de segurança nacional de Israel até ao início do ano passado.

“Infelizmente não parece haver neste momento qualquer possibilidade de um acordo de reféns, por isso Israel não tem outra opção”, disse Hulata, que é agora membro sênior da Fundação para a Defesa das Democracias, com sede em Washington, que apoia uma ação mais forte contra o Irã.

Ainda assim, uma longa campanha pode suscitar novas críticas por parte dos israelenses de que Netanyahu e o seu governo estão dando as costas aos reféns.

“A tomada de Rafah levará meses”, alertou o ex-primeiro-ministro Ehud Barak numa recente entrevista a uma rádio israelense. “Se voltarmos dentro de seis meses à questão dos sequestrados, vamos nos encontrar numa situação em que eles voltarão dentro de caixões.”

© 2024 Bloomberg L.P.

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.