Frasco de 4.000 anos contém batom vermelho antigo, mostram arqueólogos

Voguel
Voguel 8 Leitura mínima

Um pequeno frasco de pedra descoberto no sudeste do Irã continha um cosmético vermelho que provavelmente foi usado como corante labial há quase 4 mil anos, segundo arqueólogos.

A descoberta rara é “provavelmente o primeiro” exemplo de batom a ser documentado e analisado cientificamente, relataram os pesquisadores em fevereiro na revista Scientific Reports.

Mais de 80% da amostra analisada era composta por minerais que produzem uma cor vermelha profunda – principalmente hematita. A mistura também continha manganita e braunita, que apresentam tonalidades escuras, além de vestígios de outros minerais e substâncias cerosas provenientes de vegetais e outras substâncias orgânicas.

“Tanto a intensidade dos minerais de coloração vermelha quanto as substâncias cerosas são, surpreendentemente, totalmente compatíveis com as receitas de batons contemporâneos”, observaram os autores do estudo.

Não é possível excluir a possibilidade de o cosmético ter sido usado de outras formas, por exemplo, como blush, segundo o principal autor do estudo, Massimo Vidale, arqueólogo do Departamento de Patrimônio Cultural da Universidade de Pádua, na Itália.

Mas ele disse que a cor vermelha profunda e homogênea, os compostos usados ​​e o formato do frasco “nos sugeriram que ele era usado nos lábios”.

É um dos primeiros exemplos de um cosmético antigo de cor vermelha a ser estudado, disse ele, embora não esteja claro por que as preparações cosméticas parecidas com batom eram incomuns no registro arqueológico.

“Não temos ideia, no momento. A cor vermelha profunda que encontramos é a primeira que encontramos, enquanto várias bases e sombras de cores mais claras já foram identificadas antes”, disse ele por e-mail.

Substância encontrada no frasco de pedra era feita de diversos minerais – incluindo hematita, mostrada em vermelho / F. Zorzi

O uso de hematita – ocre vermelho triturado – foi documentado em paletas cosméticas de pedra do final do Neolítico, bem como em vasos cosméticos egípcios antigos, de acordo com Joann Fletcher, professora do departamento de arqueologia da Universidade de York.

Se o frasco do Irã foi o primeiro batom, “tudo se resume ao que esta nova descoberta foi realmente usada”, disse ela.

“É possível que o conteúdo do frasco tenha sido usado como batom. Mas também poderiam ter sido aplicados para dar cor às bochechas, ou para alguma outra finalidade, mesmo que o frasco se pareça com um tubo de batom moderno”, disse Fletcher, que não esteve envolvido na pesquisa, por e-mail.

É “muito plausível” que o artefato fosse um batom, disse Laurence Totelin, professor de história antiga na Escola de História, Arqueologia e Religião da Universidade de Cardiff, especializado em ciência, tecnologia e medicina grega e romana.

“Como apontam os autores, a receita não difere de uma receita moderna. A cor vermelha profunda também é o que esperaríamos da maquiagem dos lábios”, disse Totelin, que não participou do estudo, por e-mail.

“Dito isto, os ingredientes também são encontrados regularmente na preparação de medicamentos antigos, e o frasco tem um formato que não é inconsistente com o uso farmacêutico”, disse Totelin.

Outros produtos previamente descobertos no Egito e no Oriente Médio e estudados por arqueólogos incluem delineadores pretos e compostos de cores mais claras usados ​​como sombras ou bases para os olhos. Ao contrário de outros cosméticos antigos, a mistura do frasco tinha baixo teor de chumbo.

Este baixo nível, sugeriram os investigadores, pode significar que os fabricantes do batom compreenderam os perigos do consumo de chumbo, um metal tóxico que ocorre naturalmente e pode causar numerosos problemas de saúde.

“Há um longo e acirrado debate entre os especialistas sobre a toxicidade dos compostos de chumbo nos cosméticos”, disse Vidale.

Pesquisas anteriores sobre artefatos da mesma região em que Vidale esteve envolvido “sugerem que há 5.000 anos o chumbo branco era o material de base para bases faciais, enquanto o conteúdo de nossa preparação vermelha profunda, supostamente destinada aos lábios, era quase isento de chumbo.

“Pode ter sido uma escolha consciente”, disse ele.

A preparação continha partículas de quartzo, de areia moída ou cristal, talvez acrescentadas, sugeriu o estudo, como um “agente cintilante” – embora fosse possível que viessem do interior do próprio frasco, que era finamente trabalhado a partir de uma pedra esverdeada chamado clorito.

Também não está claro qual teria sido a consistência original do cosmético – fluida ou mais sólida, disse Vidale.

“A forma delgada e a espessura limitada do frasco sugerem que ele poderia ter sido convenientemente segurado com uma mão junto com a alça de um espelho de cobre/bronze, deixando a outra mão livre para usar um pincel ou outro tipo de aplicador”, escreveram os autores do estudo, citando um antigo papiro egípcio datado do século 12 a.C. que retrata uma jovem pintando os lábios dessa forma como exemplo.

O artefato estava entre milhares de itens desenterrados em tumbas e sepulturas da Idade do Bronze na região de Jiroft, no Irã.

As sepulturas – parte de um antigo reino conhecido como Marhasi – foram expostas e desalojadas em 2001, quando um rio inundou, após o que o seu precioso conteúdo foi saqueado e vendido pelos habitantes locais. Muitos itens de pedra e cobre, incluindo o frasco, foram posteriormente recuperados pelas forças de segurança iranianas.

O frasco está guardado no Museu Arqueológico Nacional de Jiroft, onde a equipe coletou amostras.

“Como um raio inesperado, esta civilização foi descoberta quando uma inundação desastrosa atingiu os seus antigos cemitérios, expondo todos os tipos de tesouros arqueológicos”, disse Vidale.

“Agora a região está bem protegida, mas foram causados ​​sérios danos”, acrescentou. “O que sabemos hoje é que esta era uma civilização avançada, semelhante à da Mesopotâmia, um ator importante no comércio de longa distância e em empreendimentos militares, que usava o seu próprio sistema de escrita e era governada por grandes cidades e governantes poderosos e autoritários.

“O resto está emergindo lentamente de novas escavações.”

Não está claro quem teria usado o batom – ou em que contexto. “Até onde sabemos, os cosméticos eram regularmente depositados perto do rosto dos falecidos nos túmulos da época”, disse Vidale.

No entanto, dados os saques e a destruição das sepulturas, os investigadores não conseguiram relacionar o artefacto com restos humanos específicos.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.