Diretor-geral da PF aciona STF para que acusações de Mauro Cid sejam esclarecidas | Política

Voguel
Voguel 3 Leitura mínima

O diretor-geral da Polícia Federal (PF), Andrei Rodrigues, afirmou que acionou o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), depois das acusações do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), que fechou acordo de delação premiada com a corporação.

“Fomos acusados, e representamos ao STF para que as graves acusações sejam esclarecidas”, disse ao Valor.

Em áudios enviados a um amigo, o militar afirmou que PF tinha uma “narrativa pronta” e disse que os investigadores “não queriam saber a verdade” durante os depoimentos que prestou no âmbito da delação. As gravações foram reveladas pela revista “Veja”.

Após o pedido da PF, Moraes convocou Mauro Cid a prestar um novo depoimento nesta sexta-feira. Não se descarta que o ex-auxiliar de Bolsonaro perca os benefícios do acordo e volte para cadeia.

A oitiva vai ser realizada pelo juiz instrutor do gabinete de Moraes, Airton Vieira, que participará por videoconferência. O tenente-coronel e a defesa, além de representantes da Procuradoria-Geral da República (PGR), devem ir presencialmente à Corte.

Mauro Cid decidiu fechar a delação depois de ser preso, em maio do ano passado, no âmbito das investigações sobre a falsificação de certificados da vacina da covid-19. No início da semana, ele e Bolsonaro foram indiciados pela PF.

Os depoimentos do tenente-coronel ajudaram os investigadores a avançar em outras frentes, especialmente sobre a suposta tentativa de golpe tramada de dentro do Palácio da Alvorada, após a vitória do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições.

Em nota, a defesa de Mauro Cid confirmou o teor dos áudios, mas afirmou que, em nenhum momento, ele colocou “em xeque a independência, funcionalidade e honestidade da Polícia Federal, da Procuradoria-Geral da República ou do Supremo Tribunal Federal na condução dos inquéritos em que é investigado e colaborador, aliás, seus defensores não subscrevem o conteúdo de seus áudios”.

“Referidos áudios divulgados pela revista ‘Veja’, ao que parecem clandestinos, não passam de um desabafo em que relata o difícil momento e a angústia pessoal, familiar e profissional pelos quais está passando, advindos da investigação e dos efeitos que ela produz perante a sociedade, familiares e colegas de farda”, disse.

Segundo a defesa, as gravações “não comprometem a lisura, seriedade e correção dos termos de sua colaboração premiada firmada perante a autoridade policial, na presença de seus defensores constituídos e devidamente homologada pelo Supremo Tribunal Federal nos estritos termos da legalidade”.

Diretor-geral da Polícia Federal, delegado Andrei Rodrigues — Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.