Confiança do consumidor cresce em março, mas nível ainda é pessimista, diz FGV

Voguel
Voguel 4 Leitura mínima

O Índice de Confiança do Consumidor subiu pela primeira vez no ano em março, mas o indicador ainda se encontra num patamar definido como de pessimismo. O ICC avançou 1,6 ponto no mês, para 91,3 pontos, após duas quedas consecutivas, informou nesta sexta-feira (22) a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Em médias móveis trimestrais, o índice continuou recuando, agora pelo sexto mês seguido, em 0,6 ponto, para 90,6 pontos.

Anna Carolina Gouveia, economista do FGV/Ibre, comentou em nota que a alta em março foi motivada pela melhora de todos os quesitos que compõem o indicador, com exceção ao de intenção de compra de bens duráveis, que recuou fortemente no mês.

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

“Esse é o primeiro resultado positivo do ano, elevando o indicador de um nível pessimista para moderadamente pessimista, acima dos 90 pontos. Apesar da melhora no mês, a dificuldade em alcançar níveis mais satisfatórios da confiança tem estado atrelado às limitações financeiras das famílias, como sugere a manutenção do indicador de situação financeira atual em níveis historicamente baixos”, afirmou.

Situação atual e expectativas

Em março, a alta da confiança ocorreu tanto nas expectativas em relação aos próximos meses quanto nas avaliações sobre o momento atual. O Índice de Expectativas (IE) avançou em 1,2 ponto, para 99,1 pontos, após acumular queda de 4,6 pontos nos dois últimos meses.

No mesmo sentido, o Índice da Situação Atual (ISA) subiu 2,1 pontos, para 80,7 pontos, segunda alta consecutiva do índice após iniciar o ano variando negativamente.

Se você gostou desse post, não esqueça de compartilhar!

Entre os quesitos que compõem o ICC, o que mede as perspectivas para as finanças familiares futuras foi o que apresentou a maior contribuição para a alta da confiança no mês ao avançar 7,6 pontos, para 100,8 pontos, devolvendo parte da queda do mês anterior de 8,5 pontos.

A alta também foi observada no indicador que mede as perspectivas sobre a situação futura da economia que subiu 4,8 pontos, para 110,6 pontos.

Apenas o ímpeto de compras de bens duráveis apresentou resultado negativo no mês ao recuar 9,2 pontos, para 85,8 pontos, oscilando fortemente nos últimos meses.

No mês, houve melhora das percepções sobre as finanças pessoais e da economia local, cujos indicadores avançaram em 2,0 e 2,1 pontos para 69,9 e 91,8 pontos, respectivamente.

A alta da confiança, apesar de em diferentes intensidades, ocorre de maneira difusa nas quatro faixas de renda. Consumidores de menor poder aquisitivo (até R$ 2.100,00) apresentam a maior contribuição para a variação positiva das avaliações sobre o momento atual mas se mostram relativamente pessimistas com relação aos próximos meses pelo terceiro mês consecutivo.

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.