Atualização surpresa da Apple deixou iPhone mais parecido com Android

Voguel
Voguel 7 Leitura mínima

Reprodução

De acordo com relatos de algumas semanas atrás, a Apple tem testado seus próprios modelos de linguagem de IA para o iPhone.

A Apple está negociando com o Google para implementar o Gemini no iPhone. De acordo com a Bloomberg, que divulgou a história, o “acordo sacudirá a indústria de inteligência artificial”.

Até o momento, a negociação não foi confirmada e a notícia se baseia em “pessoas que pediram para não serem identificadas porque as deliberações são privadas”. Mesmo assim, a possível novidade incendiou o mundo da tecnologia sobre o que isso poderia significar.

Na realidade, não importa se isso se concretizará ou não — algo do lado da Apple mudou e esta é a verdadeira atualização para os usuários do iPhone.

A Apple deu a entender que seu próximo iOS 18, previsto para meados de 2024, será a “maior” atualização de todas. E isso diz respeito à chegada da IA ao iPhone. De acordo com relatos de algumas semanas atrás, a Apple tem testado seus próprios modelos de linguagem no dispositivo.

Mas a notícia de que pode haver um acordo com o Google — ou com a OpenAI — sugere que ou a Apple não está tão avançada quanto se pensava, ou — talvez mais provável — que existam limitações intrínsecas para a IA generativa no dispositivo e no que pode ser feito na nuvem.

A sugestão é que a Apple pode dividir sua oferta de IA, com capacidades centradas na privacidade no dispositivo — talvez usando o Gemini Nano — e ações mais pesadas, como escrever ou analisar documentos longos, ou realizar pesquisas detalhadas, na nuvem.

Passando para a Samsung. A gigante dos smartphones Android tem focado sua máquina de marketing no Galaxy AI neste ano, enquanto enfrenta tanto o Google quanto o iPhone no mercado de smartphones.

“Quando integrada aos telefones, a IA é, simplesmente, uma revolução”, disse o líder de MX da Samsung antes do MWC. “Também é importante elevar os padrões de segurança e privacidade nesta nova era de experiências móveis intensivas em dados. Esta é uma das razões pelas quais adotamos uma abordagem híbrida que combina IA no dispositivo e baseada na nuvem. Além de garantir usabilidade perfeita, isso permite que os usuários limitem algumas funcionalidades para operar completamente no dispositivo, dando-lhes maior controle sobre o que fazem com seus dados.”

Na época, isso parecia sinalizar uma diferença para onde a Apple iria. Mas agora, se os novos relatos estiverem corretos, então não tanto. O fato de a Apple estar explorando a mesma abordagem híbrida é um indicador significativo de para onde isso tudo está indo a seguir.

O problema das ofertas de IA da Samsung sempre foi essa mistura entre suas próprias capacidades e as do Google. Mas novamente, esses relatos sugerem que isso pode replicar a abordagem que a Apple adota, estreitando ainda mais a lacuna entre iPhone/Android.

Com poucas diferenças de desempenho entre os melhores smartphones topo de linha da Apple e Samsung — que representam os smartphones premium mais vendidos globalmente —, a adoção de IA pode ser o mais próximo que os dois ecossistemas já estiveram, à medida que a Samsung se torna mais semelhante à Apple, e a Apple faz o mesmo.

Mas a Apple — mais do que a Samsung — enfrenta um desafio-chave. A IA é o próximo campo de batalha da privacidade. Já estamos vendo relatos de que prompts de IA generativa podem ser hackeados e é uma questão de tempo até vermos violações importantes.

“Algumas empresas escaneiam regularmente informações pessoais na nuvem”, disse a Apple no mês passado, “para monetizar as informações de seus usuários. A Apple não faz isso. Escolhemos um caminho muito diferente, um que prioriza a segurança e a privacidade de nossos usuários”. Isso foi visto como uma provável alfinetada ao Google e suas ofertas na nuvem em comparação com as próprias da Apple.

“Ferramentas de vigilância em massa”, alertou ainda a Apple em sua resposta à legislação de vigilância proposta na Austrália, “têm amplas implicações negativas para a liberdade de opinião e expressão e, por extensão, para a democracia como um todo. Por exemplo, a conscientização de que o governo pode compelir um provedor a observar o que as pessoas estão fazendo levanta o sério risco de reprimir liberdades associacionais, expressivas, políticas e atividades econômicas legítimas”.

Isso tem implicações para a IA na nuvem versus no dispositivo, especialmente considerando que qualquer coisa enviada para a IA na nuvem não pode — por sua própria natureza — ser criptografada de ponta a ponta. Isso significa que está aberto a armazenamento e recuperação e à legislação e aplicação da lei. Vimos essa questão com o Google Messages se tornando uma fonte de dados para o Gemini, mas com um aviso de que está fora da criptografia total usual da plataforma.

As linhas divisórias entre IA no dispositivo e na nuvem, e como a abordagem da Apple difere de seus concorrentes, estão prestes a se tornar críticas. De certa forma, esta atualização apenas reflete os arranjos de busca atuais, onde o Google já é o padrão em iPhones e Androids. Mas todos sabemos que a IA é diferente e essas linhas se tornarão fluídas.



Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.