Análise: Ataque do Irã parecia planejado para minimizar baixas e maximizar espetáculo

Voguel
Voguel 8 Leitura mínima

Uma guerra silenciosa que durou décadas irrompeu abertamente durante a noite, quando drones e mísseis iranianos iluminaram o céu noturno de Israel e da Cisjordânia ocupada. A operação de Teerã foi altamente coreografada, aparentemente concebida para minimizar as baixas e ao mesmo tempo maximizar o espetáculo.

Essa foi uma missão complexa. Mais de 300 drones e mísseis navegaram sobre os vizinhos do Irã, incluindo a Jordânia e o Iraque –ambos com bases militares dos EUA– antes de penetrarem no espaço aéreo do inimigo mortal do Irã: Israel. Os aliados de Israel ajudaram a abater a maior parte dessas armas, mas não conseguiram evitar o que durante muito tempo se acreditou ser o cenário apocalíptico do Oriente Médio: o primeiro ataque da República Islâmica a Israel.

O lendário sistema de defesa aérea de Israel, o Domo de Ferro, não decepcionou os israelenses, muitos dos quais foram para abrigos de proteção. Apenas um pequeno número de locais foram atacados, incluindo uma base militar e uma área no deserto de Negev, ferindo uma criança beduína, enquanto o domo defendia contra um dos maiores ataques de drones da história.

No entanto, essa foi uma operação que parecia concebida para falhar –quando o Irã lançou os seus drones assassinos a partir do seu próprio território, a cerca de 1.600 quilômetros de distância, estava avisando Israel com horas de antecedência.

O simbolismo do ataque fez o trabalho pesado. Em vez de disparar de um dos países vizinhos onde o Irã e os seus aliados não estatais estão presentes, este foi um ataque direto do território iraniano ao território israelense. Isso comprometeu a capacidade do Irã de prejudicar Israel porque roubou à operação o elemento surpresa.

No entanto, durante cerca de quatro horas, o mundo prendeu a respiração enquanto as armas zuniam pelo céu noturno. Eram bolas de fogo pairando no alto enquanto espectadores de três países diferentes filmavam imagens que pareciam indicar o início de uma guerra cataclísmica.

O tempo de espera significou que Israel e os seus parceiros regionais puderam preparar as defesas de Israel, e a operação representou pouco mais do que um espetáculo terrível de fogos de artifício. Quando a missão permanente do Irã nas Nações Unidas tuitou que a operação tinha sido “concluída”, foi fácil sair dela pensando que a República Islâmica estava apenas latindo sem morder.

O ataque serviu como retaliação contra os ataques aéreos israelenses ao consulado do Irã em Damasco, no início de abril, que mataram um comandante do alto escalão, e estava de acordo com as expectativas dos serviços de inteligência e dos analistas dos EUA.

A liderança do Irã se sentiu compelida a atacar Israel, a fim de reiterar a sua posição como uma potência regional e de dissipar a noção de que o país era fraco. Ele duplicou a sua demonstração de força ao lançar a operação a partir do seu próprio território e não por procuração na Síria, no Líbano, no Iêmen ou no Iraque.

Veja imagens dos ataques de Irã a Israel

No entanto, o Irã também precisava tentar evitar uma guerra total. A sua economia cedeu ao peso das sanções da era Trump e há um descontentamento crescente nas ruas devido às políticas repressivas do governo.

No domingo (14), o Irã parecia não apenas ter levado em consideração a robusta defesa aérea de Israel, mas também ter confiado nelas. O grau relativamente elevado de informações dos EUA sobre a operação também sugere que o Irã pode ter se envolvido em uma canalização indireta com os líderes ocidentais.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir Abdollahian, disse que avisou os países vizinhos, incluindo os principais aliados dos EUA, com 72 horas de antecedência. Para conter as consequências da sua própria operação, eles pareciam ter a intenção de frustrá-la.

O estilo de ataque lembra a resposta de Teerã ao assassinato seletivo do general mais célebre do Irã, Qassem Soleimani, em janeiro de 2020, sob comando do ex-presidente Donald Trump. Teerã deu às tropas dos EUA 10 horas de aviso prévio antes de lançar enormes mísseis balísticos sobre posições militares dos EUA no Iraque, incluindo a base aérea de al-Asad. O ataque causou estragos, deixando crateras abertas no solo, mas não causou nenhuma vítima conhecida pelos EUA.

No processo, as forças iranianas abateram acidentalmente um avião comercial que decolava do aeroporto de Teerã, matando mais de 100 passageiros e alimentando a ira pública contra um regime cada vez mais visto como incompetente.

Na época, os iranianos estavam preocupados em demonstrar o que os seus militares podiam fazer, e não o que estavam dispostos a fazer. Os EUA não retaliaram, evitando a guerra regional.

Mísseis são vistos após ataques do Irã a Israel
Mísseis são vistos após ataques do Irã a Israel / Reprodução/Reuters

Quatro anos mais tarde, o manual do Irã poderá não se desenrolar da mesma forma. Israel já prometeu responder. Os EUA declararam publicamente que não participariam de uma retaliação israelense, o que pode tranquilizar o Irã.

No entanto, o Israel de Netanyahu tem se revelado cada vez mais imprevisível. As ameaças do Irã de uma ação mais severa em caso de nova escalada podem cair em ouvidos surdos em Israel, por sua própria conta e risco.

Em um possível ataque ao Irã, Teerã poderá não hesitar em usar a fronteira norte de Israel como plataforma de lançamento. Uma semana antes do ataque, uma fonte libanesa familiarizada com o assunto tinha descartado que o Hezbollah, o grupo armado mais poderoso parceiro do Irã, fizesse parte da retaliação inicial do Irã ao ataque de 1º de abril ao consulado.

No entanto, a fonte alertou que o Hezbollah e outras forças de combate apoiadas pelo Irã “estarão preparadas para a fase que se seguirá à resposta iraniana”.

Uma forte retaliação israelense pode levar o Irã a assumir uma posição ainda mais linha dura, para além da sua política israelense. Os conservadores consolidaram o controle do governo do Irã nos últimos anos e há uma resistência crescente à pressão ocidental para travar o temido programa de enriquecimento de urânio do país.

“Deve haver alguma satisfação em certos círculos de Washington e em Israel de que a resposta limitada do Irã reflete o desequilíbrio de poder a favor de Israel”, postou Trita Parsi, analista iraniana baseada em Washington DC e vice-presidente executiva do Instituto Quincy, no X.

“Mas pense mais e você perceberá como esse episódio fortalecerá aqueles em Teerã que acreditam que o Irã deve se tornar nuclear.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.