Agência antidoping defende condução em caso de doping de nadadores chineses

Voguel
Voguel 6 Leitura mínima

O órgão máximo de antidoping do esporte global classificou como “ultrajantes” e “completamente falsas” as alegações de que administrou mal um caso de 2021 em que mais de 20 nadadores chineses de elite testaram positivo para uma droga proibida para melhorar o desempenho.

A Agência Mundial Antidoping (WADA) fez os comentários depois que o chefe da Agência Antidoping dos EUA, Travis Tygart, acusou a agência e as autoridades chinesas de terem “varrido esses resultados positivos para baixo do tapete” e de não seguirem as regras sobre drogas no esporte.

A disputa surge depois de uma reportagem do New York Times, que revelou como 23 nadadores chineses foram autorizados a continuar competindo, inclusive nos Jogos Olímpicos de Tóquio no final de 2021, apesar dos resultados positivos no doping meses antes naquele mesmo ano.

O relatório, divulgado em coordenação com a emissora pública alemã ARD, disse que os atletas com resultado positivo incluíam quase metade da equipe de natação que a China enviou para os Jogos de Tóquio e que vários ganharam medalhas, incluindo três medalhas de ouro.

A WADA, em um comunicado no sábado (20), disse que “mantém os resultados de sua rigorosa investigação científica” sobre o caso e ficou “surpresa com os comentários ultrajantes, completamente falsos e difamatórios feitos por Tygart, que fez acusações muito sérias contra a WADA sobre o caso.”

Após a publicação de reportagens na mídia, a agência disse que “revisou cuidadosamente” uma decisão das autoridades chinesas de permitir que os nadadores continuassem a competir após os testes positivos e também respondeu a perguntas subsequentes sobre os casos da Agência Antidoping dos EUA e a Agência Internacional Independente de Testes.

A Agência Antidopagem da China disse que as recentes reportagens da mídia sobre os casos eram “enganosas”, de acordo com a agência estatal chinesa Xinhua, citando um comunicado divulgado no sábado (20).

De acordo com o comunicado, a agência realizou testes antidoping num evento nacional de natação em 2021 e encontrou nadadores com resultados positivos para uma “concentração extremamente baixa” de trimetazidina (TMZ), disse Xinhua.

A substância, um medicamento para o coração proibido pela WADA desde 2014, afeta o metabolismo e acredita-se que ajuda na resistência na atividade física. Ele ganhou destaque global durante os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim em 2022, depois que a estrela da patinação artística russa Kamila Valieva foi suspensa por quatro anos por um teste positivo antes do evento.

No caso dos nadadores chineses, a Agência Antidopagem da China decidiu que os atletas não deveriam ser responsabilizados pelos resultados depois da sua investigação “imediata” ter concluído que os nadadores foram inadvertidamente expostos à substância através de contaminação por comida.

Na sua declaração de sábado (20), a WADA disse que foi notificada em junho de 2021 da decisão sobre os nadadores que tiveram resultados positivos no início daquele ano.

“Como parte de sua revisão, a WADA coletou informações científicas adicionais e não publicadas sobre o TMZ e consultou especialistas científicos independentes para testar a teoria da contaminação e também se baixas doses de TMZ poderiam ter beneficiado os atletas durante uma competição de natação”, disse a agência em sua declaração.

“A WADA concluiu finalmente que não estava em posição de refutar a possibilidade de que a contaminação fosse a fonte do TMZ e que era compatível com os dados analíticos do arquivo”, afirmou o comunicado, acrescentando que “com toda a transparência” partilhou as suas conclusões com investigadores internos e externos.

Numa segunda declaração no sábado, Tygart, da Agência Antidoping dos EUA, acusou a WADA e a Agência Antidopagem da China de “esconderem atletas positivos” por não serem transparentes sobre as conclusões.

“Quando você descarta sua retórica, os fatos permanecem como foram relatados: a WADA não suspendeu provisoriamente os atletas, desqualificou os resultados e divulgou publicamente os aspectos positivos”, disse Tygart em comunicado publicado na conta da USADA na plataforma de mídia social X.

“Essas são falhas flagrantes, mesmo se você acreditar na história de que se tratava de contaminação e que uma droga potente ‘apareceu magicamente’ em uma cozinha e levou a 23 testes positivos em nadadores chineses de elite”, disse Tygart, referindo-se a detalhes incluídos no artigo do The New York Times.

Na sua resposta anterior a Tygart, a WADA disse que “não tinha escolha senão encaminhar este assunto ao seu consultor jurídico para medidas adicionais” após as “falsas alegações” de Tygart.

Também afirmou que a “cobertura mediática” da situação era “enganosa e potencialmente difamatória”, numa aparente referência à reportagem do The New York Times.

Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.